Filter, Qselect and Punks

O que faz um “cader” (usuário Autocad) gostar de revisar desenhos?

O que faz um homem pegar um desenho e começar a conferir todas suas medidas?? A passar este desenho por um batalhão de filtros de checagem, para deixar o desenho o mais “com menos erros possíveis” antes de ser enviado ao cliente??

Vejam que eu não mencionei um desenho 100% sem erros, pois isto é difícil.

O que faz esse homem ser um revisor de desenhos???

Gostar deste tipo de trabalho,  senso de não concordar com os erros e o dever profissional de entregar o desenho em ótimo estado para o cliente. Bonito né?! Então enxugue a lágrima e continue na leitura.

Temos o poder agora. Não estamos mais na época da caneta nanquim, papel vegetal e lâmina de barbear para raspar alguma linha desenhada de maneira errada no papel. Lógicamente que tempo e qualidade da revisão andam de mão dadas, inversamente.

Se podemos fazer a coisa certa, e tudo está ao nosso favor, então vamos fazer!

Muito projetistas e desenhista não gostam de revisar desenhos. A situação aqui é parecida com o developers que criam programas, mas detestam fazer manuais de uso e soluções de possíveis problemas  (troubleshoots).

Não existe poesia aqui ao descrever os porques de não gostar da parte de revisão:

  • Porque é chato e ponto final.
  • Os criadores dos desenhos não devem ser os revisores finais; pois ficaram viciados nos seus próprios erros. Precisará de uma terceira pessoa com uma visão macro para visualizar o que está destoando.

Quando eu estava começando a entrar nessa área de revisão, escutei de um outro coworker a seguinte frase “…o revisor não precisa aprender muito Autocad…”.

No meu caso eu fui totalmente ao contrário dessa opinião. Na hora que eu escutei estas palavras, eu até sai do local para respirar.

Simplesmente comecei a mergulhar no aprendizado do Autocad. Comecei a buscar nos livros os “comos” que eu estava querendo.

Reconheço também a importância das dicas e micro-aulas do pessoal do escritório que eu trabalho. Thanks.

Foi este auto-estudo que resulto-me no aprendizado e conhecimentos em modelar em 3D. Em paralelo, estava brigando para aprender o Blender 3D.

Um pouco antes deste período, eu comecei a aprender Autolisp graças a um ótimo projetista que trabalhou conosco.

Este projetista forneceu-me algum material de estudo e comecei a otimizar o meu serviço com alguns programas que eu havia criado, ajudando-me no meu trabalho.

Houve um momento em que eu precisava de um Autolisp que fornecesse valores de quantidade de uma determinada entidade, que estava no desenho. Por exemplo, algum bloco específico, ou a quantidade daquela medida de furos, etc.

O desenhista que inicia a lista de material sabe da paciência que precisa ao começar a preencher as quantidades de cada ítem ali presentes.

Os Inventor e SolidWorks users devem estar com o sorriso no rosto, pois estes softwares tem o poder de gerar lista automaticamente enquanto você desenha.

Um Autolisp que me fornecesse quantidades de uma determinada entidade no desenho: seria uma ferramenta ideal para mim. Sendo assim, comecei a confeccionar o programa.

Gosto de programar. É um desafio muito bom, levando você naqueles bons momentos de montar o algoritmo certo, ver os bugs, tentar resolver, etc.

Mas como uma vez eu li em um tutorial de Python, e também em um texto de um blog, brasileiro gosta de reinventar a roda. O que eu quero dizer com isso?? Vá la na cozinha, toma um café, trás um para mim e continue lendo.

Conheci dois ótimos comandos para resolver o que eu estava procurando. São eles:

QSELECT.

FILTER.

Ambos os comandos são suficientes e  poderosos para localização de entidades, fornecendo, o que é mais importante para mim, a QUANTIDADE.

“Gostaria de saber quantos blocos, que usam layer tal, com nome tal, etc, etc…existem neste desenho. “. Ok, só fornecer os parâmetros certos que os resultados aparecem.

O conhecimento destes dois comandos fizeram com que eu parasse de construir o programa em Autolisp. Para que eu continuaria?? Talves para adquirir conhecimento, treinar minha habilidades , sei lá.

Mas o tempo que eu levaria fazendo algo que já existia, eu poderia aproveitar em outras finalidades. Tipo isso , ou isso.

Agora que eu apresentei estes dois comandos, é uma questão de tempo de usá-los e adaptar-se ao que cada um tem de melhor para cada situação.

Não irei mentir, usei pouco o Filter, então não tenho ainda uma opinião formada sobre ele. Ficará a conta dos cadistas leitores comentar os prós e contras sobre estes dois comandos.

Ei, já dei o caminha das pedras, vocês tem que me ajudar também. Opinem ai Yuri, Deyvison, Sidoti ou quem mais se interessar…

Como eu falei, não irei reinventar a roda. Aqui estão dois artigos que já descrevem o uso de ambos os comandos:

Qselect

Filter

  • Procurar saber mais sobre o software que você trabalha, para ter todo o potêncial dele.
  • Buscar informações, ir em fórum, ler algum livro, etc.

No meu caso, essas dicas sempre se voltam ao meu favor.

Esqueça essa de “profissional desta área precisa ter esse nível de conhecimento”, se você gosta, vai lá e aprenda. Os conhecimentos que eu tenho em Linux já me ajudaram, em algumas situações, mesmo eu estando hoje em dia no Windows.

Os conhecimentos que eu tenho no Autocad faz com que não apenas eu tenha conforto ao se trabalhar, mas também ajudar os outros. Na medida do possível.

Quantos aos Punks, bem…isso é um passado que um dia eu contarei.

For seven!!!

73 55

——–

Créditos do Filter para o João, pois eu não conhecia.

O Qselect eu não lembro como eu descobri.  Se foi através de alguém ou um texto.

Anúncios

6 comentários sobre “Filter, Qselect and Punks

  1. Fala fábio, primeiro q sobre revisar desenhos, vc sabe neh, naum tem cara q se irrita mais com isso do q eu! Nossa quando eu pegava aqueles desenhos e tinham aquelas coisas, q meu, era soh vc levar no banheiro quando estava cagando q vc veria q ali tinha um monte de erros babacas, enfim, tem cadista q usa da boa vontade esse lance de quem faz o desenho naum corrige! Sobre o lisp vc jah sabe a minha opinião, sobre o qselect, esse comando eh fera demais e o filter eh mais ou menos, mais quebra um galhão as vezes!! Eu naum usaria nenhum desses itens para se fazer uma lista de material!

    1. salve sidoti.

      tem horas que nao tem jeito..quando eu quero selecionar alguma entidade no desenho, ou para contar ou para editá-los, ai eu mando um ou outro.

      se tiver “muitos” o que vc deseja, ambos ajudam demais.

      73 55

  2. Humm, QSELECT uso bastante, quando fui fazer o diagrama de enrolamento do estator eu usei o QSELECT pra separar as cores e deixá-las em layer e foi mto produtivo, o projetista com anos de trabalho na área ficou surpreso.
    Já o fitler usei 2 vezes acho, não acho muito produtivo pois os objetos precisam estar obrigatoriamente em bloco, o que nem sempre acontece.

    Fabião, pra refrescar sua memória, já que eu li o livro também, o QSELECT foi ensinado no [i]AutoCad Secrets[/i], um livro que todo cadista deve ler.

    E sou muito a favor em economizar tempo pra ver playboy rsrsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s